A história da Cutelaria

E aí, galera! Tudo beleza?

Hoje o nosso artigo é sobre a história da Cutelaria. Mas, antes de começarmos em algo que se inicia lá nos primórdios da Idade da Pedra, precisamos saber primeiramente o que é Cutelaria.

Bom, Cutelaria é a arte de um cuteleiro, ou seja, a pessoa que fabrica ou vende instrumentos de corte. São produtos da cutelaria: espadas, adagas, facas, facões, machados, punhais, navalhas ou seja, todos utensílios metálicos de corte.

As cutelaria teve seu início há mais de 6 milhões de anos (a.C.), e ao passar dos anos e séculos, a cutelaria foi aprimorada e melhor desenvolvida através do conhecimento da raça humana.

Antes da dominação do fogo pelo homem, as primeiras facas eram feitas a partir de pedras, que foram utilizadas por milhares e milhares de anos. Após a descoberta do fogo (cerca de 7 mil anos a.C.), o ser humano aprendeu a como manipular melhor o metal, assim evoluindo em milhares de coisas, e entre elas, a cutelaria.

As primeiras facas feitas a partir de pedras.

Com o avanço do tempo e o desenvolvimento da manipulação do metal pelo homem, o primeiro modelo de faca pode-se dizer que foi a de dois gumes, realizadas a partir do cobre e posteriormente a de um gume, feita a partir do bronze.

Até os dias atuais, foram anos de evolução na arte da cutelaria, e podemos hoje encontrar milhares de modelos a disposição no mercado. Facas e canivetes são os modelos na arte da cutelaria mais adquiridos nos últimos anos.

O mercado da cutelaria é muito amplo ao ponto de existirem doutores especialistas no assunto. No Brasil, a cutelaria tem crescido ininterruptamente durante os últimos anos, onde grandes eventos são realizados anualmente demonstrando todo o poder da cutelaria.

E e esse foi uma breve história da arte da Cutelaria. Diz aí pra nós, você faz coleção de cutelaria ou tem vontade?

Ah, e se você tem alguma dúvida também ou qualquer sugestão, é só deixar nos comentários abaixo.

E por hoje é só, galera! Um grande abraço e até a próxima!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *